Feministas Africanas

18 Feministas Africanas para Conhecer e Celebrar*

(traduzido e adaptado por Priscila Uirá)

por Moiyattu Banya

O que é feminismo Africano? Muitas feministas de todo o mundo têm contestado se a idéia de se as concepções modernas do feminismo são Africano ou não-Africano. Na verdade, o feminismo tem existido na África desde os tempos da rainha Nzinga de onde é hoje Angola e Yaa Asantewaa de Gana. Essas mulheres têm inspirado as feministas africanas contemporâneas, que têm contribuído significativamente para o feminismo de várias formas, seja através da arte, da música, da escrita ou da política. Elas estão comprometidas a trazer as vozes das mulheres africanas para os espaços onde trabalham, e elas são de fato agentes de mudança, não apenas no continente Africano, mas também em toda a Diáspora Africana.

  1. Theo Sowa – CEO do Fundo de Desenvolvimento das Mulheres Africanas

theo

Theo Sowa é Diretora Presidente do Fundo de Desenvolvimento das Mulheres Africanas. Ela já trabalhou como consultora independente para uma ampla gama de questões internacionais e de desenvolvimento social. O seu trabalho tem coberto advocacia, prestação de serviços, avaliação, facilitação, política e desenvolvimento organizacional, com uma série de organizações internacionais e intergovernamentais e fundações doadoras.

Siga seu trabalho em: http://www.awdf.org/our-work/staff/
Segui-la no Twitter: @TheoSowa

  1. Abena Busia – escritora, poeta e professora

busia abe

Professora Abena Busia é a atual presidente do Departamento de Mulheres e Estudos de Gênero da Universidade de Rutgers, em Nova Jersey. Ela também é co-diretora e co-editora do inovador projeto WomenWritingAfrica, uma antologia de vários volumes publicados pela Feminist Press na Universidade da Cidade de Nova York. Como Professora Busia aponta, “a História está localizado em vários lugares”, e da antologia foi projetado para reconhecer o legado cultural complexo e “produção cultural” das mulheres africanas Busia ajudou a editar dois volumes da antologia-Women Writing Africa: West Africa and the Sahel (2005) e Women Writing Africa: NorthernAfrica (2009).

  1. Osai Ojigbo – Advogada e ativista

osai

Osai Ojigbo é uma advogada, advogada de justiça de gênero e ativista dos direitos humanos. Ela é formada em direito pela Universidade de Lagos, na Nigéria e Mestre em Direito pela Universidade de Wolverhampton, no Reino Unido. Ela trabalhou como Diretora Executiva Adjunto em Alianças para África (AFA), onde coordenou a Justiça de Gênero na Iniciativa África. Osai projetou e implementou programas que visam a capacitação de mulheres líderes comunitárias sobre questões relacionadas com os direitos humanos.

Segui-la no Twitter: @livingtruely

  1. Leymah Gbowee – Ativista

leymah

Leymah Gbowee é uma ativista pela paz na Libéria, assistente social e advogada de direitos das mulheres. Ela também é uma das vencedoras do Nobel da Paz de 2011. Ela é o fundadora e presidente da Gbowee Peace Foundation África, com sede em Monrovia. Leymah é mais conhecida por liderar um movimento não-violento que reuniu mulheres cristãs e muçulmanas para desempenhar um papel central para acabar com devastadora guerra civil de 14 anos da Libéria em 2003.

Segui-la no Twitter: @LeymahRGbowee

  1. Minna Salammi – Ativista, Blogger e Palestrante

minna

Minna é uma escritora nigeriano-finlandesa, blogger, palestrante e fundadora do MsAfropolitan, um blog pan-Africano feminista multi-premiado. Ela também é membro do Duke University Corporate Education Global Learning Resource Network,, e Guardian Africa Network , membro do conselho For Books’ Sake de caridade do Reino Unido, e uma colaboradora do Huffington Post.

Siga seu trabalho em seu blog: www.msafropolitan.com
Segui-la no Twitter: @negrasoul2MsAfropolitan

  1. Amina Doherty – Artivista

AminaDoughertyimage

Amina Doherty é uma ARTivista feminista nigeriana cujo trabalho se concentra em filantropia feminista e apoia artes criativas. Ela tem facilitado iniciativas de aprendizagem sobre os direitos das mulheres, desenvolvimento da juventude, filantropia e justiça econômica. Amina apoia ativamente várias plataformas de mídia lideradas pela comunidade e traz para seu ativismo uma paixão pela música, arte, viagens, fotografia, moda e poesia.

Segui-la no Twitter: @Sheroxlox

  1. Nana Sekyiamah – Escritora, Blogger e Ativista

Nana_2013

Ela atuou em muitos papéis de liderança no continente Africano por anos como especialista em comunicações para o Fundo de Desenvolvimento das Mulheres Africanas, uma organização líder de concessão de financiamento pan-Africano em Gana. Ela se concentra em escrever histórias que exploram as questões em torno das sexualidades diversas das mulheres africanas. Ela é a curadora da Adventures from the Bedrooms of African Women, um blog altamente aclamado e lido sobre as mulheres africanas e a sexualidade.

Siga seu trabalho em: www.adventuresfrom.com
Segui-la no Twitter: @Nas009

  1. Amina Mama – Professora e Pesquisadora

amina2009

Professora Amina Mama é nigero-britânica escritora feminista e intelectual que trabalha há mais de duas décadas em pesquisa, ensino, mudança organizacional, e edição, na Nigéria, Grã-Bretanha, Holanda, África do Sul e os EUA Ela passou uma década na Universidade de Instituto Africano de Gênero da Cidade do Cabo, onde liderou o desenvolvimento colaborativo de estudos feministas e de pesquisa para contextos africanos. Amina atualmente trabalha como professora de Mulheres e Estudos de Gênero da Universidade da Califórnia, em Davis.

  1. Yewande Omotoso – Escritora

Yewande-2012

Yewande Omotoso nasceu em Barbados e cresceu na Nigéria com a mãe de Barbados, pai nigeriano e dois irmãos mais velhos. A família mudou-se para a África do Sul em 1992. Yewande estudou arquitetura na Universidade da Cidade do Cabo, para a qual ela retornou depois de trabalhar como arquiteta por vários anos, para completar um mestrado em Escrita Criativa. O resultado do seu mestrado é seu romance de estréia Bomboy, que foi publicado em 2011.

Segui-la no Twitter: @Yomotoso

10. Purity Kagwiria – Diretora Executiva do Instituto Dada Akili

purity

Purity Kagwiria trabalha como diretora-executiva do Instituto Akili Dada, uma organização que oferece educação e oportunidade de liderança para meninas e mulheres no Quênia. Jornalista de profissão, Purity é membro ativa do movimento feminista pelos direitos das mulheres e está empenhada em analisar os espaços privados e pessoais que as mulheres habitam e o desenvolvimento de estratégias que levam à emancipação das mulheres. Purity é formada em Gênero e Desenvolvimento da Universidade de Nairobi e tem diploma em Jornalismo pela Kenya Instituto de Comunicação de Massa.

Segui-la no Twitter: @Pruncie
Siga o Instituto Dada Akili: @akilidada

  1. Yaba Badoe – Ativista e cineasta

yaba-badoe

Yaba Badoe é documentarista ganês-britânica, produtora e escritora. A pós-graduação da King’s College em Cambridge, ela trabalhou como funcionária público em Gana antes de se tornar uma Trainee Geral com a BBC. Ela lecionou na Espanha e Jamaica, e já trabalhou como produtora e diretora, faz documentários para os principais canais da Grã-Bretanha e da Universidade de Gana, em Accra. Seus documentários incluem As Bruxas de Gambaga (2011) e A Arte da Ama Ata Aidoo (2014).

  1. Aisha Ibrahim Fofana – Professora e ativista

Aisha Ibrahim Photo

Aisha Ibrahim Fofana é o diretora do Centro de Pesquisa de Gênero e Documentação da Universidade de Fourah Bay College de Serra Leoa. Em 2009-2010, ela foi pesquisadora visitante no Instituto Norte-Sul, com uma bolsa de estudo financiado pelo IDRC. Enquanto no Instituto Norte-Sul, o trabalho de Ibrahim focou em ações afirmativas como forma de superar as barreiras que limitam a entrada das mulheres na política. Aisha também atua como Presidente do “50/50 Grupo de Serra Leoa”, que incide sobre a defesa, a política, e capacitação para a liderança das mulheres.

Siga a sua organização: www.fiftyfiftysierraleone.org

  1. Melissa Kiguwa – Poeta e artista

melissa

Melissa Kiguwa é uma artista e uma feminista radical. Sua arte varia de projetar um tipo jóia feitas sob medida para o desempenho do blues improvisado. Seu trabalho está enraizado em reconhecer e dar valor a diversas experiências afro globais. Criada por um pai haitiano e mãe de Uganda, Melissa se considera um “afro-nômade.” Seu livro de poesia mais recente intitula-se “Os devaneios de saudade” (Reveries of Longing).

  1. Ama Ata Aidoo – Escritora

AmaAtaAidoo

Professora Ama Ata Aidoo, nascida Christina Ama Aidoo, é uma autora ganesa, poeta, dramaturga e acadêmica. Ela também atuou como Ministra da Educação em Gana sob a administração de Jerry Rawlings. Vive atualmente em Gana. Em 2000, ela criou a Fundação Mbaasem para promover e apoiar o trabalho das escritoras africanas.

Segui-la no Twitter: @AmaAtaAidoo

  1. Maame Afon Obeng – Ativista e Musicista

Maame-Afon

Nascida e criada em Gana, Maame é uma defensora empenhada e uma líder apaixonada, também é uma cantora e artista dinâmica. Recentemente, ela lançou seu segundo álbum, intitulado Ekome. Ela já trabalhou como Diretora do Programa para a África Subsariana (SSA) do Fundo Global para Mulheres, e é membro do conselho e co-presidente do Comitê Consultivo Regional da Bay Area de Fundo para o Desenvolvimento das Mulheres Africanas nos EUA (AWDF-EUA ).

Siga sua música: www.maameafon.com.

  1. Rainatou Sow – Diretora Executiva do Make Every Woman Count (Fazer Valer Cada Mulher)

Rainatou Sow

Rainatou Sow é o fundadora e diretora-executiva do Make Every Woman Count, uma organização que monitora os direitos das mulheres em todo o contintente Africano. A ativista guineense foi nomeada “Mulher Inspiração de 2012” pelo grupo “Mulheres 4 África” com sede no Reino Unido. Ela também tem sido destaque na CNN, bem como na Forbes África.

Siga a sua organização: www.makeeverywomancount.org

  1. Chimamanda Ngozi Adichie – Escritora

Chimamanda Ngozi Adichie

Chimamanda Ngozi Adichie nasceu na Nigéria, em 1977. Ela é autora de três romances aclamados pela crítica: “Hibisco Roxo” (2003), “Meio sol amarelo” (2006), e “Americanah” (2013). Ela também lançou uma coletânea de contos, “The Thing around Your Neck” em 2009. Chimamanda se auto-identifica como feminista e tem escrito e dado palestras sobre vários temas atuais relacionados às questões das mulheres na Nigéria e em toda a Diáspora, incluindo suas palestras no TED.

Siga seu trabalho: www.chimamanda.com

  1. Hilda Twongyeirwe – escritora e editora

Hilda Twongyeirwe

Hilda Twongyeirwe é uma escritora e editora da Uganda. Ela publicou o livro infantil, “Fina, a dançarina” em 2007. Ela também escreveu uma série de contos, e sua poesia já apareceu em vários jornais, revistas e antologias. Atualmente é coordenadora do FEMRITE, uma organização focada no desenvolvimento e publicação de mulheres escritoras em Uganda e na região do Leste Africano. Através do FEMRITE, ela editou várias publicações, incluindo “I Dare to Say: African Women Share Their Stories of Hope and Survival” (Me Atrevo A Dizer: Mulheres Africanas Compartilham Suas Histórias De Esperança E Sobrevivência) em 2012.

Siga seu trabalho no FEMRITE: www.femriteug.org

autoraMoiyattu Banya é natural de Serra Leoa, feminista e escritora. Atualmente leciona Estudos sobre a Mulher cursos na Universidade Temple, nos Estados Unidos e também faz consultoria internacional com empresas sociais na África Ocidental. Ela é fundador da Women Change Africa. Moiyattu faz parte do Fundo de Desenvolvimento das Mulheres Africanas (AWDF) Comunidade de Africano Mulheres Escritores. Segui-la no Twitter: @WcaWorld.

*artigo traduzido e adaptado Priscila Uirá de Souza, do original disponível em: http://www.forharriet.com/2015/04/18-phenomenal-african-feminists-to-know.html#ixzz3W5t9d91Q

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.